28 de abril de 2017
Utilize as teclas de atalho Alt+1 para navegar para a área de conteúdos do sítio web.
  • ROTEIRO
  • Sala de Aljubarrota

Sala de Aljubarrota

Há museus que guardam no seu âmago peças de elevado valor artístico, mas é difícil encontrar agrupadas num só museu um conjunto tão significativo de peças como as que aqui se reúnem, as quais possuem um elevado valor estético, histórico e afetivo.
A sala de Aljubarrota do Museu de Alberto Sampaio é disso um exemplo. O conjunto de peças nela exposto – Virgem em Majestade (séc. XIII), conhecida por Santa Maria de Guimarães; loudel de D. João I; Tríptico de prata dourada; placas de edificação e sagração da Igreja de Nossa Senhora da Oliveira (de, respetivamente, 1387 e 1401) – é um manancial de histórias, de «estórias» e de lendas que despertarão a curiosidade e a admiração do visitante.
Saibam desde já que o rei D. João I era um crente fiel e dedicado a Santa Maria da Oliveira, de Guimarães. A esta Santa atribui e dedica este rei da Dinastia de Avis o ter vencido a Batalha de Aljubarrota, travada contra os castelhanos. E tanto assim é que a Ela ofereceu o loudel (a veste militar) que envergava na referida batalha, corria o ano de 1385, e o tríptico de prata dourada, altar portátil que representa o Nascimento do Menino.
Esta sala e estas peças são de tal forma simbólicas que é mesmo preciso ir ao museu, em corpo e em alma, para se perceber do que falamos. Esta sala, e fazemos nossas as palavras de José Saramago «merece todas as visitas» e, sinceramente, esperamos que «o visitante faz jura de cá voltar de todas as vezes que em Guimarães estiver»!

Lista de Conteúdos