Mais de 80 crianças ficaram a conhecer o Abade de Priscos, esta quinta-feira, no Museu de Alberto Sampaio. Os mais pequenos ouviram a história desta figura bracarense, célebre pelos seus dotes culinários, pela voz do escritor Inácio Pignatelli, autor do livro “Era uma vez o Abade de Priscos”.
As crianças, alunos das escolas do primeiro ciclo de Santa Luzia e do Colégio de Vila Pouca, reuniram-se em torno do autor e as peripécias do famoso abade conseguiram gerar risadas nos mais atentos. As “vassouradas” que a criada Custodinha deu no Libório por este roubar a receita de “sopa seca” ao abade... Ou o cão chamado Tretas que “aferroava as canelas” ao dono da estalagem que queria chamar clientela à custa dos pratos do hábil sacerdote.
No final, os pequenos tiveram ainda oportunidade de fazer algumas perguntas a InácioPignatelli, que adiantou ter começado a escrever com pouco mais do que a idade dos seus jovens ouvintes, muito incentivado pelos pais. “É uma responsabilidade muito grande escrever para crianças. Mas as crianças conseguem entender coisas que os adultos não entendem...”, afirmou.